sexta-feira, 23 de abril de 2010

sobre Paulo Otero

tenho a dizer basicamente isto:

"(...) foi o próprio Tribunal Constitucional que justificou a não inconstitucionalidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo a partir da noção historicista de que o casamento é um “conceito aberto”, que admite “diversas conformações legislativas”, “políticas”, “éticas” e “sociais”, dependente das “concepções dominantes” de cada “momento histórico”. Se o argumento serve para o casamento entre pessoas do mesmo sexo, porque não há de servir para o casamento entre um ser humano e um animal vertebrado doméstico? Eu compreendo o desagrado provocado pelo enunciado do teste, mas compreendo-o melhor nas pessoas que têm do casamento um conceito fechado. Já o desagrado dos outros soa a uma mistura de desonestidade intelectual, falta de imaginação e sonsice. "

6 comentários:

André disse...

Esse Paulo Otero de certeza que nunca ouviu falar em Personalidade Juridica.

Que tal ler os artigos 66º e 67º do código civil?

Penso que seja suficiente para classificar esse "caso prático", como RIDICULO. Um animal vertebrado doméstico tem capacidade juridica para contrair o matrimónio?

Ridiculo, uma vez mais.

mpr disse...

está a ver, André?
já fez 2,5 pontos no caso prático.
são 5, tem de continuar...

André disse...

isso nao é um caso prático ... é um caso estupido.

tambem podia referir o principio da alteridade do direito... enfim

Ary disse...

Estás cada vez mais delicado mpr ...

A verdade é que o Paulo Otero é fascista mas o caso é perfeitamente legítimo de ser apresentado.

Ary disse...

Vá ... fascista em sentido lato e não como insulto mas como catalogação ideológica.

Duarte Canotilho disse...

O tribunal constitucional utilizou um conceito alargado de familia, que por acaso até já foi propugnado por pessoas como vital moreira e canotilho nas suas constituições anotada.
O Paulo Otero tentou passar uma mensagem... Olha saiu-lhe mal. A idiotice infelizmente não se ensina, ja se nasce com ela

eXTReMe Tracker