sexta-feira, 16 de outubro de 2009

hoje é dia de outros acontecimentos "republicanos"


O ódio inspirado pela propaganda esquerdista-jacobina em Portugal e França constitui, numa forma quase pura, o exemplo de como a má fé de alguns indivíduos tirânicos, disfarçada numa mensagem de igualdade fratricida e desonesta, um discurso de bêbado que ainda engana alguns intelectuais e muitos políticos, pode e consegue manter-se vivo e pujante na mentalidade das sociedades que infectam.

Os republicanos conseguiram povoar a imagem que o povo português tinha da família real de Bragança com perversidades, abusos e mentiras.
A isso aliaram uma ideia de igualdade que consistia em destronar a Casa Real e trocá-la por uma oligarquia política que arruinou o país nos 16 anos de Iº República, estupidificou-o nos 41 anos de IIº República, e agora assentou confortavelmente no actual tecido social o seu corrupto carácter bizantino.

Mas como a raleficação ficou-se só mesmo entre alguns sectores e não afectou quem não se deve deixar afectar, mantêm alguns cidadãos a recordação do que é, efectivamente, o verdadeiro jacobinismo republicano, o verdadeiro igualitarismo sans-cullotes.

Da data de hoje a precisos 216 anos atrás, a populaça da igualdade, guiada pelos seus líderes "iluminados", num espontâneo serviço à causa da Revolução, guilhotinou em praça pública a Rainha Maria-Antonieta de França, após todo o tipo de humilhações, privações e atentados à dignidade humana, dos quais consta muy famosa a violação e assassinato da melhor amiga da rainha, a princesa de Lamballe, que sofreu toda essa insultuosa violência à saída do tribunal revolucionário onde tinha recusado prestar juramento à humana república.

A cabeça de Suas Majestades da França, bem como dos restantes e suspeitos apoiantes "realistes", foram exibidas em Paris e por toda a França como uma vitória da igualdade, liberdade e fraternidade.

É esta mesma a filosofia que iluminará os corações a transbordar de ódio e caos dos regicídas de 1908, é este o mesmo caos que engolirá Portugal após 1910. O abuso da maioria sobre as minorias e sobre o Estado de Direito.

Recorde-se mal, em terras de Portugal, o 5 de Outubro, não é desculpa suficiente para não se protestar contra este movimento exaltado da inteligentsia.

Aprenda-se as Revoluções, homenageiem-se os mártires do fervor bélico!

Vive La Reine!

2 comentários:

Ruben disse...

Quando falaste de "tiranias" até pensei que ias falar dos Reis Absolutistas :P! ahahahah

Manuel Pinto de Rezende disse...

não, falo precisamente da tirania das maiorias.

durante o absolutismo, nos períodos pontuais em que realmente o houve, raras vezes se tratou de tirania de minoria.

eXTReMe Tracker