quinta-feira, 11 de março de 2010

a igreja Católica e a Cultura - a cultura geral, a Verdade e o síndrome de Manada

Este texto não se destina a ser uma resposta a algumas porcalhices radicais que se dizem por aí, em alguns lupanares polítizados, sobre o Catolicismo e demais instituições tradicionais da Europa. É apenas uma reflexão minha sobre um tema que, a ser abordado num Jornal que eu prezo como bom e profissional, será abordado de forma a iluminar os caminhos da mentira.
A Igreja Católica padece dos males das instituições: depois da pujança e da prosperidade, vêm-se acometidas por todos os sectores rivais de abusos, de denúncias e teorias malinventadas sobre os excessos cometidos nas horas mais felizes.

A criação da cultura católica não se fez de um dia para o outro. A construção serena da Igreja proporcionou-lhe a força que ela ainda mantém no mundo, mesmo após todas as violações e expropriações que sofreu ao longo do século XIX e XX.
A Doutrina Católica está intrinsecamente ligada aos Evangelhos. Recentemente, um movimento apelidado de cristianismo gnóstico tem atingido a Igreja, ao culpa-la da destruição de manuscritos apócrifos que não representavam as ideias políticas dos primeiros líderes da Igreja.
Tal afirmação demonstra um total desconhecimento da realidade histórica.
A Igreja Católica constrói-se durante a queda do Império Romano. E é uma construção progressiva. Adopta os Evangelhos mais comuns entre as populações proto-cristãs e analisa os documentos religiosos que circulam entre as comunidades religiosas. Teve, obviamente, de criar critérios para a autenticidade de uns e outros. Esses critérios tinham por objectivo salvaguardar as comunidades cristãs e a Palavra de Cristo.
Toda estas discussões originaram seitas, concílios, discussões filosóficas e debates intelectuais que ainda hoje, pelos registos que nos restaram, são admirados pela nata do Pensamento, pelos teólogos e filósofos mais conceituados. E tudo isso se deu numa época em que o Império começou a apagar, definitivamente, as suas Luzes, e a tornar-se numa construção política opressiva.
Como se pode ver, a Cultura é o germine da doutrina católica, a liberdade de pensamento e investigação foi algo necessário para que os Doutores da Igreja ajudassem à criação da Igreja e da Civilização Ocidental.

A Igreja Católica desempenhou um poderoso papel nos últimos dias do Império. Deu diplomatas a Roma, até militares. Foi o bispo de Milão que impediu que os Hunos invadissem Roma.
Manteve as leis latinas, preservou os seus escritos.
Durante as eras das Trevas, em que a Cultura se apagou quase definitivamente do Mundo, foi nos mosteiros cristãos, nas comunidades religiosas, e através dos locais de ensino católicos que se copiaram, comentaram e preservaram obras de Sócrates, Aristóteles, Gaio, Marco Aurélio, Políbio, Ulpiano, etc.

Todo este ensino foi libertado dos claustros dos monges cistercenses e propagou-se pela Europa Medieval.
Criou-se assim a Europa Moderna, modernizaram-se leis, protegeu-se a pessoa e a propriedade, incentivou-se o comércio, estabilizaram-se os estados.
E reapareceu, lentamente, a Arte.

Ou não é a beleza Renascentista, da qual a Igreja Católica foi o principal mecenas, o fruto de uma contínua e paciente cultivação, sementes da intelectualidade medieval, quase toda ela formada na liberdade das universidades académicas?
Sendo que essas universidades académicas, que respondiam apenas perante o Papa, não eram nunca, por tal, motivo de violências, nem na pessoa das instituição nem na pessoa de docentes e discentes, dos soberanos medievais?
Funcionou sempre o Catolicismo como protector da Arte quando todos a desprezavam, e como refreador dos ânimos dos poderosos incultos, que tantas vezes viam na complexidade das leis canónicas e nos processualismos dos romanos uma perda de tempo. Tudo para muitos deles se resolvia melhor à espadeirada.

Não insistiu sempre a Igreja Católica que os cursos de Teologia viessem totalmente separados dos de Ciências Naturais? Proibindo até os doutores dessas áreas dar as duas disciplinas simultaneamente, para que não confundissem matérias de fé com matérias da Natureza?
Tudo isto tem prova, desde bulas até documentos legais, desde concessões régias a acordos internacionais.
E o que foi a Contra-Reforma senão a resposta à violência da Reforma Protestante?
Morreram menos homens e mulheres, ao longo da história completa da Inquisição, que as mulheres que foram queimadas por bruxaria na Nova Inglaterra.
E os mosteiros, locais de sabedoria e riqueza, de quem dependiam as populações mais pobres dos tempos antigos em busca de comida, abrigo e trabalho, que foram alvo de rapinas e destruições, durante o levantamento do movimento protestante?
Esse mesmo movimento protestante que retirou a felicidade do Homem da teoria económica e colocou o objectivo desta na força laboral? Perpetuando o erro que embocaria em Marx, e a sua teoria objectiva do valor?

Não foram os protestantes que concederam a Jaime I o direito divino dos reis? Todas estas transformações destruíram a ordem tradicional europeia, e causou esta revolução uma reacção apertada da Igreja. E sim, foram cometidos erros.
E não eram os Tribunais Inquisitórios, com edifícios e condições de acordo com a lei cristã, tantas vezes requeridos por aqueles que não queriam enfrentar a ira das instituições laicas?
Ou não foi Bocage para a Inquisição, protegido pela autoridade papal dos devaneios absolutistas de Pina Manique?
Não usaram tantas vezes os Estadistas a Igreja para os seus fins?
E quantas vezes foram reprimidos esses estadistas por isso?
Não foi João III reprimido por ter instaurado a inquisição em Portugal, quando o Papa já desconfiava que ele a usaria apenas para confiscar os bens dos judeus? E não é a Igreja uma convicta defensora dos direitos de propriedade? Ou não fosse ela a criadora do nosso Direito Privado.

Ainda assim, preservou a Igreja Católica, nos seus melhores momentos, as obras de Avicena, Averróis - ambos muçulmanos - , os últimos escritos maias, reportou a violência sobre os índios pelas autoridades públicas e pelos privados, criaram-se acordos com os reinos da Ásia, fizeram-se as primeiras trocas culturais com a China, etc.
Manteve-se na vanguarda dos direitos humanos através de Bartolomeu Las Casas, considerando indiscutível a humanidade dos índios e mais tarde dos negros.
Tudo isto a Igreja fez e criou, preservou e manteve, durante épocas de total destruição social, de instabilidade política e de destruição do ordenamento jurídico.
Quando todos negavam o valor da legalidade e da ordem, dos valores humanistas e da paz.

E ainda a acusam de ser instigadora da Guerra. Não foi a Igreja que preparou a paz de Vestefália, presidindo os delegados do papa às declarações de paz dessa guerra dos Trinta Anos que muito mal fez na Europa? Guerra essa que começa por uma insurreição ilegítima e acaba num confronto de morte entre fundamentalismos?

Não foi a Igreja Católica que, através das células na América do Sul, defendeu os últimos redutos dos índios, acossados pelos colonos? Não tiveram a mesma sorte os índios norte-americanos, nem as populações autóctones dos confins do Império Russo, protegidas pelos czares e pela Igreja Ortodoxa e aniquiladas em nome do Igualitarismo por esse profeta do Socialismo, José Estaline.

Não foram o Rei da Bélgica e o Imperador da Áustria, a pedido do Papa, os primeiros chefes de Estado a pedir a paz da Iª Guerra Mundial, quando o Mundo parecia querer despedaçar-se?
Não foi o catolicismo da Baviera o principal rival dentro da Alemanha contra Hitler?
E o protagonista da operação Valquíria, agora tão conhecida, não era ele um católico que actuava com cédulas anti-nazis católicas?
Porque não investigam essas coisas os mais radicais dos historiadores de fim-de-semana?
Ou julgam que, por dizer algo que já vem explícito nos manuais escolares, em sentido de insurreição oficial contra a cultura católica, são os verdadeiros intelectuais? Atacar a Igreja sempre foi tão fácil como improdutivo. É que a mentira e o radicalismo nunca deram frutos.

10 comentários:

Ary disse...

Acho que nem tanto ao mar nem tanto à terra. A Igreja teve os seus pecados ao longo da história, mas em geral, com mais ou menos décadas de atraso tem sabido arrepender-se. Para além do mais vive em penitência permanente, pelo que deve ter um bom crédito lá em cima. (Heresias à parte).

A Igreja, como qualquer "instituição tradicional" tem sido de facto bastante crítica, mas é preciso reconhecer alguma validade dessas críticas. Ela continua a ter algumas posições que os próprios católicos europeus tendem a rejeitar na generalidade e o mais grave nisso é que tal tem afastado crentes do culto regular e de uma vivência saudável da fé em comunidade.

mpr disse...

não é uma questão de tanto ao mar nem tanto à terra.

a Igreja, enquanto instituição humana, que integra humanos nas suas acções humanas, comete erros.

2mil anos de existência dá o direito, pelo menos, a uma boa mão cheia de erros.

mas a Igreja fez bem mais de acordo com a sua missão do que o mal que terá feito, que foi realizado quase sempre, se não sempre, contra aquilo que defende.

dizer que a Igreja roubou, queimou ou sei lá que mais é desculpar as restantes circunstâncias históricas.

o meu texto não é um exagero, nem um canto epopeico à igreja. isto fundamenta-se em factos.
isto aconteceu, está reportado, estudado.

agora, a Igreja andar por aí a queimar livros e judeus a torto e a direito é de loucos...

Ary disse...

Eu percebo, mas o teu texto tem algo de apologético. Nada contra, mas tem.

mpr disse...

é apologético porque é favorável.

fosse crítico, e sei bem o que seria...

Duarte canotilho disse...

Manel que a igreja teve importância em vários momentos da história, teve. Que a sua doutrina base, foi a base para o elenco de direitos fundamentais, tb é verdade.

A critica que faço à igreja é mais sobre a maneira como alguns dos seus dirigentes instrumentalizaram (durante seculos) as pessoas, instrumentalizando a doutrina de forma a atingir os seus fins. Exemplo: Hoje em dia diz-se que se deve ler a biblia de uma forma não literal. (obvio) mas durante muitos anos assim não foi.
A repressão no renascimento foi uma forma de manter um status quo que era bom para a igrehja que enriquecia como ninguem, e tinha governos a beijarem-lhes os pés...
Quando dizes que foram os maiores mecenas, realmente até podem ter sido, mas fizeram-no com o intuito de mostrar a grandeza deles, de forma a cativar as pessoas para ficarem debaixo da sua asa, numa altura em que lhes escapavam... Exemplo analogo é o da exploração espacial sovietica. Os sovieticos tb investiram mt na exploração espacial, mas mais com o que isso lhe podia trazer de bom para o regime a nivel internacional em vez de ser pela necessidade de conhecimento :)

Que tem muito para penar a igreja tem... e durante muito tempo terá. Eu acho. Mas mais do que ser contra a doutrina fundamental (que não sou e acho que ninguem é) sou contra posições que a igreja toma, fundamentando erroneamente nas escrituras por exemplo; e também sou contra a opressão feita durante seculos. (directa ou indirectamente) só isso.

Large Hadron Collider disse...

bah

Tiago Ramalho disse...

Manel, escrevi um comentário um bocadinho substancial e apaguei-o de seguida. O ponto parece-me ser este: não será por se perseguirem bruxas que deixa de haver inquisiçã, não será por se preservar os textos clássicos que se deixam de queimar livros (ou que deixa de haver index). Há demasiado factos em jogo e são difíceis juízos de síntese. O certo é que o juízo de síntese, que abstractiza, não pode negar que, em concreto, hajam sido queimados livros (independentemente de, noutros lugares, assim ter sido. )

Ary disse...

Exacto.

mpr disse...

Tiago,

é um tema muito complexo para eu comentar o teu comentário.
a inquisição muitas vezes agiu como um tribunal que respeitava mais as garantias dos prisioneiros do que as prisões públicas.

além de que o Index religioso nunca teve a mesma força nem os mesmos objectivos que os index dos totalitarianismos do século XX.

mais uma vez, há uma data de conversa sobre o assunto, mas faltam registos, factos, dados, que comprovem que qualquer responsável eclesiástico da igreja católica tenha ordenado a destruição de livros.
não uma acta, nem uma ordem expressa ou suspeita de tal ter acontecido.

Tiago Ramalho disse...

Uma das principais formas de actuação das polícias políticas (mutatis mutandis..) é através dos cidadãos zelosos que agem por sua conta no interesse daquelas. Não importa haver ordem de cardeais: importa um clima de censura que, até ao iluminismo (pelo menos), se sente. Entre a queda do poder monástico (a congregação beneditina perde força com o nascimento da Universidade) e, pelo menos, o iluminismo, há um grande peso sobre os ombros do homem. Afirma Kant, se não falho, que é finalmente iluminismo que liberta o homem de peias exteriores (embora com diferente verbo).

Não sou historiador mas falo com base no que tenho lido de historiadores (pouco) ou outras obras de carácter geral.

No resto, remeto para o comentário anterior, ressalvando, naturaliter, que possas ter razão (i.e., que o que tenho lido me tenha induzido em erro).

eXTReMe Tracker